Indicadores de rentabilidade na análise fundamentalistas
indicadores_de_rentabilidade_na_analise_fundamentalista

Indicadores de rentabilidade na análise fundamentalistas

Este conteúdo é para você que quer entender algumas das métricas usadas em relatórios e apresentações de empresas e verificar como suas ações estão performando através dos indicadores de rentabilidade.

É possível que já tenha se deparado com termos como ROE, ROIC, ROA…dentre outras métricas que podem parecer uma sopa de letrinhas à primeira vista, mas que são essenciais para seus investimentos e tomadas de decisão. 

Neste artigo vamos falar sobre como é feito o cálculo e a interpretação dos indicadores de rentabilidade de empresas. Afinal, como é de se esperar, quanto mais rentável uma empresa é, melhor para seus investimentos. Boa leitura. 

O que é Rentabilidade
E como são feitos os cálculos de rentabilidade?
Retorno sobre capital próprio (ROE)
Retorno sobre capital investido (ROIC)
Interpretando os dados
Bônus ROA

O que é rentabilidade?

Rentabilidade vem de retorno, ou seja, aquilo que é esperado quando pensamos em investir em algo. Quando a gente traz esse conceito para o campo empresarial, estamos avaliando se a companhia realizou bons investimentos no passado, com o intuito ter uma expectativa de quais frutos serão colhidos em função da administração de capital da companhia.

Assim, os indicadores de rentabilidade têm a finalidade de relativizar o retorno financeiro da empresa, utilizando os ativos, investimentos financeiros e patrimônio líquido para traçar o saldo final. 

Destacamos que, como outras métricas, esses dados não devem ser analisadas de maneira isolada. 

Vamos à prática?

Usualmente, utiliza-se de diversos meios para analisar uma companhia em relação aos indicadores de rentabilidade e aqui detalharemos os que julgamos ser os mais importantes, sendo: através do capital dos acionistas (equity) ou considerando a empresa como um todo, isso é, capital dos acionistas somado ao capital de terceiros (enterprise value). 

O indicador utilizado para analisar o capital próprio de uma empresa é o ROE (return on equity) e para a empresa completa o ROIC (returno on invested capital).

E como são feitos os cálculos de rentabilidade?

Retorno sobre capital próprio (ROE): 

Também chamado de retorno sobre patrimônio líquido, é utilizado para analisar a capacidade da companhia em gerar resultados a partir dos recursos investidos pelos sócios ou acionistas (patrimônio líquido). 

Confira o cálculo:

ROE = (lucro líquido / patrimônio líquido) x 100

Retorno sobre capital investido (ROIC):

A finalidade desse indicador é entender se a empresa está utilizando seus recursos de forma eficiente. E, para tal, a análise reproduz o quanto a companhia lucra por ano, traçando um paralelo com o dinheiro investido pelos acionistas ou sócios.

Dito isto, consideramos que este indicador é calculado por partes. Inicialmente é necessário entender sobre o NOPAT (Net Operating Profit After Taxes), que é o lucro operacional da empresa antes do desconto de juros e impostos, e é calculado da seguinte forma:

NOPAT = EBIT * (1 – impostos)

Assim, a partir desta equação chegaremos ao ROIC:

ROIC = NOPAT/Capital Total Investido

Reforçando:
 
NOPAT: Net Operating Profit Less Adjusted Taxes (NOPAT) representa o lucro operacional líquido sem os impostos
Capital Total Investido: soma do capital próprio e de terceiros investido na empresa. 

OBS: O racional por trás da utilização lucro operacional e não do lucro líquido se dá, pois, no lucro operacional as receitas e despesas financeiras não interferem, assim como o benefício fiscal decorrente do endividamento. ​

Interpretando os dados

A primeira pergunta de quem vê isso pela primeira vez é: “através desses dados, o que eu posso entender como sendo um bom investimento?” A maneira mais direta de responder é: procure pelos concorrentes ou pares comparáveis da companhia analisada, se estendendo às empresas do mesmo setor, e compare quais apresentam os melhores indicadores.

Como dito anteriormente, os números, por si só, podem não dizer muitas coisas, mas quando comparamos aos outros…é aí que está o ouro. 

Ambos indicadores também devem estar atrelados ao risco envolvido na atividade. Investidores têm que ter atenção ao fato de que empresas com atividades mais cíclicas e/ou arriscadas, usualmente apresentam um ROE/ROIC maior do que aquelas de saneamento básico e energia elétrica, por exemplo, considerados segmentos mais estáveis e previsíveis.

Lembre-se que, a máxima de risco vs retorno deve ser analisada e ponderada, e é fundamental em finanças.

Regras de bolso dos indicadores de rentabilidade

Um ROE acima de 15% tende a ser um bom número, mas cuidado com a armadilha do endividamento, empresas com muita dívida tendem a ter um ROE elevadíssimo, simplesmente por uma questão contábil. 

Isso acontece porque, quanto mais dívida uma empresa tem, seu patrimônio líquido será relativamente menor, resultando em uma distorção no ROE, tornando a empresa mais atrativa do que de fato é. 

“Então, basta a empresa tomar muita dívida que será considerada rentável?” É importante ter em mente que, sim, esse indicador vai trazer dados distorcidos, porém é necessário considerar que o risco do investimento se torna substancialmente maior nesse caso.

Um ROIC acima de 13% tende a ser um bom resultado. Perceba que o ROIC será usualmente menor do que o ROE, justificado pelo fato que são métricas diferentes e os indicadores traduzem uma dinâmica não comparável. 

Recomendamos comparar o ROIC com o Custo Médio Ponderado de Capital (WACC), a fim de certificar-se se a empresa está ou não gerando valor.

Lembrando que empresas endividadas também geram benefícios de impostos, uma vez que o mesmo é calculado após o pagamento das despesas financeiras. Uma boa dica é analisar todos os indicadores apresentados anteriormente em conjunto, dessa forma fica mais fácil balizar sua decisão. 

Bônus: ROA

O indicador ROA (return on assets) é calculado da seguinte forma: 


ROA = Lucro líquido/ Ativo Total x 100


 Nesse caso, o indicador busca avaliar o retorno sob os ativos da empresa, composto por: caixa, estoque, contas a receber, propriedades e equipamentos…ou seja, bens e direitos que aumentam o poder aquisitivo da companhia, dados encontrados no balanço da companhia.

Interpretando:

O objetivo da avaliação desse indicador é entender a rentabilidade do capital de giro da companhia e de seus ativos reais (terrenos, fábricas/equipamentos). 

A interpretação dele se dá de uma maneira puramente comparativa, ao contrário do ROE e ROIC, e apesar de ser uma informação importante, é limitada e, assim como as demais, deve ser vista em conjunto com outros indicadores. 

O ROA indica qual é a porcentagem de cada dólar investido no negócio retornou ao investidor sob a forma de lucro. Assim, mostra o quanto a empresa está sendo eficiente ao usar estes ativos para gerar lucro.

Gostou? Esse é o primeiro artigo da série “indicadores fundamentalistas”. Fique de olho aqui no BLOG porque, logo, logo, traremos outras informações essenciais para que você possa analisas os dados das empresas e fazer investimentos muito mais assertivos.  

Texto por: Julia Monteiro – Analista Fundamentalista

Compartilhar:FacebookTwitter

Deixe uma resposta

MyCAP Power Broker APP

É a ferramenta ideal para quem quer acompanhar o mercado em tempo real de qualquer lugar.

MyCAP Power Broker APP
%d blogueiros gostam disto: