Simulador: como calcular o rendimento da previdência privada?

Simulador: como calcular o rendimento da previdência privada?

Está decidido a investir em uma aposentadoria complementar, além do INSS? Então chegou o momento de calcular o rendimento da previdência privada. 

Através de simuladores, é possível compreender quanto o seu dinheiro irá render na previdência privada e qual será o prazo para você ter acesso a ele.

Se você quer saber mais sobre esse assunto, siga com a gente e descubra as principais informações da previdência privada e se ela vale a pena. 

Veja todos os tópicos:

Relembre: o que é a previdência privada?
Como fazer o cálculo do rendimento da previdência?
Quanto está rendendo a previdência privada hoje?
O que posso mudar após contratado um plano de previdência?
O que fazer para resgatar os valores investidos?
Como funciona a previdência privada paga pela empresa?
O que você precisa lembrar sobre o cálculo do rendimento da previdência privada 
Conclusão

Aqui, entenderemos em detalhes como descobrir o rendimento real dos planos privados de aposentadoria, considerando aportes, juros acumulados, modalidade de resgate e taxas cobradas. Vamos nessa?

Relembre: o que é a previdência privada?

A previdência privada é um instrumento disponível no mercado financeiro utilizado para a construção de uma reserva futura ou mesmo para planejamento sucessório.

Ela é recomendada para quem tem objetivos de longo prazo. Contudo, os aportes realizados podem ser resgatados antes da data de vencimento.

Muitos brasileiros consideram a previdência um tipo de investimento, mas ela funciona como um pacote de serviço no qual os aportes recebidos são aplicados em Fundos de previdência e outros ativos do mercado financeiro.

Estes Fundos de Investimento possuem diferentes estratégias e pode alocar os recursos em ativos de Renda Variável, como as Ações, em Tesouro Direto, Crédito Privado, Fundos de Investimento em Renda Fixa e até em cotas de outro Fundo de Previdência. 

A composição dos seus portfólios é que determina o nível de exposição ao risco e a rentabilidade dos planos.

Existem diversos formatos de planos de previdência, entretanto os mais comuns no mercado são:

  • Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) 
  • Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL)

O VGBL é um seguro, mas, na prática, é conhecido como previdência privada. Além deste fator, a sua principal diferença em relação ao PGBL é a tributação do Imposto de Renda (IR).

Confira, a seguir, mais detalhes sobre a previdência privada.

Benefícios de um plano de Previdência Privada

Ao contrário da contribuição previdenciária pública, o contratante tem a liberdade para escolher como, quanto e até se deseja fazer aportes mensais, semestrais, anuais ou aportes esporádicos

As aplicações financeiras realizadas através da previdência complementar geram rendimentos ao seu contratante, que podem ser transformados em uma renda mensal. 

Na prática, muitos consideram a previdência privada também como uma forma rentável de diversificar o patrimônio e o capital investido. Mas lembre-se que não há garantia de rentabilidade.

E os riscos?

Assim como acontece com outros produtos financeiros, a aposentadoria complementar tem riscos e custos inerentes à operação. Os aportes realizados no plano são aplicados em Fundos de previdência e demais ativos financeiros. 

Então, quanto mais rentável for a aplicação, maiores são os riscos financeiros envolvidos. No sentido oposto, quanto menos juros o produto render, mais seguro ele é. 

As instituições financeiras responsáveis pelos planos e Fundos previdenciários podem cobrar taxa de administração, de performance, taxa de carregamento, de entrada e taxa de saída, além do recolhimento do Imposto de Renda pela Receita Federal.

Portanto, para entender os riscos da aposentadoria complementar, é preciso conhecer em quais outros produtos financeiros os planos estão aplicados e os custos envolvidos na operação.

Uma dica para minimizar os riscos está em escolher os fundos que compõem o plano de previdência privada de acordo com o seu perfil investidor, seja ele mais arrojado ou conservador.

Tributação da previdência privada

Os planos de previdência podem ser tributados na tabela progressiva ou na tabela regressiva do Imposto de Renda

No VGBL, o recolhimento do IR é apenas sobre os rendimentos, por isso é mais interessante para aqueles que fazem a Declaração simplificada.

No PGBL, a incidência do imposto é sobre os aportes e rendimentos. Por outro lado, ele concede benefícios fiscais, como utilizar as contribuições, como despesas médicas e gastos com educação, para deduzir até 12% da renda tributável. 

Por isso, os planos PGBL são mais indicados a quem utiliza o modelo de Declaração Completa do IR.

Cabe ao contratante escolher, entre as opções disponíveis no mercado, o formato do plano e o regime tributário que seja mais indicado aos seus objetivos. 

Enfim, por que optar por um plano de previdência privada?

No Brasil, empregados com carteira assinada e outros indivíduos devem contribuir, obrigatoriamente, com a Previdência Social, administrada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). 

No entanto, com as recentes reformas e mudanças no regime, o sonho da aposentadoria pelo INSS está cada vez mais distante. 

As condições para se aposentar pela Previdência Social tornaram-se mais complexas e difíceis, com seguros que oferecem baixa remuneração futura.

Nesse sentido, a previdência privada pode complementar a renda durante o período da aposentadoria, além de diversificar seu portfólio.

Logo, investir em aposentadoria complementar é uma maneira inteligente para ter um recebimento de renda extra e uma rentabilidade futura.

Como fazer o cálculo do rendimento da previdência?

Alguns fatores são determinantes para calcular o rendimento da previdência complementar, como:

  • Aporte — que pode ser único ou periódico;
  • Taxa de juros — o quanto o valor acumulado rende durante determinado período;
  • Prazo de investimento — tempo em que a aplicação é mantida;
  • Taxas, impostos e outros custos — valores descontados do saldo.

Estes elementos são imprescindíveis para entender o quanto a previdência privada está rendendo ou pode render.

Simulador de rendimento da previdência privada

Se você quer saber com precisão o quanto a aposentadoria complementar pode render ao contratante, é interessante usar um simulador.

Na MyCAP, você tem acesso a uma ferramenta prática e fácil para calcular os rendimentos do plano de previdência privada.

Simulador do prazo: quando vou me aposentar?

A legislação atual da Previdência Social indica que, em condições habituais, a aposentadoria pode ser requisitada por mulheres aos 62 anos e, pelos homens, aos 65 anos. 

Mas, com a previdência privada, os contratantes podem escolher quando irão resgatar a sua renda complementar.

O tempo é amigo de quem deseja fazer investimentos e, assim, aplicações de médio e longo prazo “recebem ajuda” dos juros compostos, que resultam em rendimentos sobre rendimentos.

Então, quanto antes você começar a investir na aposentadoria, mais cedo poderá resgatar o dinheiro depositado em previdência privada.

Na MyCAP, você também consegue calcular com quantos anos poderá se aposentar usando o saldo do plano complementar.

Quanto está rendendo a previdência privada hoje?

Para saber quanto um plano de aposentadoria privada rende, é preciso estar a par de todos os elementos que a compõe, conforme mencionado acima.

Quanto maiores os aportes, as taxas de juros e o prazo de investimento, mais rentável será o plano de aposentadoria, especialmente se estiverem associados a baixos custos.

Lembre-se ainda que os depósitos feitos nos planos são alocados em Fundos de Previdência. O desempenho desses produtos está diretamente relacionado a composição de seu portfólio e a exposição ao risco. 

Se você deseja mensurar o rendimento da previdência privada, utilizar o simulador MyCAP é uma boa alternativa para isso.

O que posso mudar após contratado um plano de previdência?

O mercado de previdência evoluiu bastante nos últimos anos. Hoje, os planos privados de aposentadoria permitem que algumas alterações sejam realizadas após a sua contratação, através da “portabilidade”.

Por exemplo, o contratante pode mudar o modelo de tributação e sair do regime progressivo para o regressivo. Também é possível modificar a maneira de resgate do plano até alguns meses antes da disponibilização do saldo.

Mas atenção, a portabilidade possui algumas regras, como:

  • Só é realizada entre planos da mesma modalidade, ou seja, de um VGBL por outro VGBL ou PGBL por outro PGBL; 
  • um prazo de carência de 60 dias a contar da data de contratação do plano para que a portabilidade seja permitida;
  • Não é permitida a migração do regime regressivo para o progressivo;

Vale destacar que a portabilidade não gera custos com Imposto de Renda. De qualquer forma, antes de qualquer realizar mudança, é importante analisar o contrato e entender com a operadora quais os detalhes das transições após a contratação do plano. 

O que fazer para resgatar os valores investidos?

O investidor que quiser resgatar antecipadamente o valor aplicado na previdência privada deve contactar a operadora e informar a sua escolha. No entanto, é preciso se atentar aos custos relativos a esta opção.

A alíquota do Imposto de Renda deve ser observada, uma vez em que o tributo será descontado do montante antes de ser sacado. Além disso, as taxas da operadora também podem reduzir o valor a ser recebido.

Portanto, calcule os gastos com a antecipação e confira se vale a pena retirar o valor investido antes do tempo previsto.

Como funciona a previdência privada paga pela empresa?

A aposentadoria complementar é dividida em 2 formatos:

  1. Previdência aberta
  2. Previdência fechada

O formato aberto permite que qualquer pessoa participe. os planos privados fechados, também conhecidos como Fundos de Pensão, são restritos a alguns grupos e se subdivide em: patrocinados e instituídos. 

A previdência fechada patrocinada é paga tanto pela organização que a oferece e administra, quanto por quem é beneficiado por ela. 

Assim, uma empresa que disponibiliza planos patrocinados aos seus funcionários compartilha com eles a responsabilidade pelos aportes.

Por outro lado, o modelo instituído é pago integralmente pelo contratante da aposentadoria complementar.

O que você precisa lembrar sobre o cálculo do rendimento da previdência privada

A previdência privada é uma maneira rentável de gerar renda complementar para o futuro, mantendo a saúde e a segurança financeira durante a aposentadoria.

Para calcular o rendimento dos planos privados de aposentadoria, você deve conhecer:

  • Os tipos de planos e as suas diferenças;
  • As taxas, impostos e outros custos envolvidos no investimento;
  • As taxas de juros aplicadas sobre o produto;
  • Tempo e valor dos aportes.

Conclusão

Agora que já conhece como calcular o rendimento da previdência privada, se você tem interesse em contratar um plano, conheça as soluções disponíveis para você, aqui na MyCAP.

Na hora de escolher entre o VGBL ou o PGBL, opte pelo que seja mais adequado a seus objetivos como investidor e forneça tenha benefícios tributários.

Quer saber mais sobre investimentos? Aqui no blog da MyCAP, você tem acesso a conteúdos exclusivos sobre o mercado e investe o seu dinheiro com segurança. 

Você conhece a  MyCAP? Conte com a isenção de corretagem e abra a sua conta.

Talvez você também queira saber sobre:

Vale a pena investir em Previdência Privada?

Como declarar Previdência Privada no Imposto de Renda

Compartilhar:FacebookTwitter

Deixe uma resposta

MyCAP Power Broker APP

É a ferramenta ideal para quem quer acompanhar o mercado em tempo real de qualquer lugar.

MyCAP Power Broker APP
%d blogueiros gostam disto: