Investir através de corretora é seguro?

Investir através de corretora é seguro?

“Desbancarize!”

Esse era um dos slogans de uma conhecida corretora. Isto até ser comprada pelo maior banco do Brasil.

O processo é irreversível, pois a cada dia o brasileiro conhece novas formas de investir seu dinheiro, com as corretoras tornando-se a porta de entrada das pessoas físicas para as novas oportunidades de investimentos. Isto mesmo com os bancos se assumindo “digitais” e menos burocráticos, numa clara resposta ao crescimento das corretoras.

Mesmo com esse crescimento, ainda podemos verificar muitas dúvidas de investidores quanto à confiabilidade de deixar seu dinheiro fora dos bancos, os eternos “guardiões” das riquezas dos brasileiros. Afinal, é seguro abrir uma conta e enviar seus recursos para as corretoras?

A resposta para tal indagação é sim. Mas em qualquer corretora? Não. Escolher a instituição financeira onde aplicará recursos é parte importante para o sucesso dos seus investimentos. As corretoras, dentre as muitas existentes no Brasil, se dividem basicamente entre as pertencentes ou ligadas aos bancos e as independentes. Em geral, uma corretora dita independente tem a vantagem de poder oferecer produtos financeiros de variados gestores, administradores e emissores.

As corretoras são verdadeiros “shoppings financeiros”, ofertando os mais diversos produtos do mercado de investimentos. Com plataformas abertas e independentes, elas oferecem opções para todos os perfis, desde renda fixa à variável, previdência privada e fundos de diferentes gestores, inclusive com exposição a ativos estrangeiros. Outra vantagem das corretoras, em geral, é o menor valor das taxas, sendo que para alguns segmentos, há isenção.

Um fator que ainda inibe certas pessoas é a percepção de risco institucional, pois há dúvidas quanto à segurança de enviar recursos para contas abertas em corretoras, julgando que os bancos seriam mais seguros. Devemos mencionar que bancos também quebram, basta lembrar casos como do Cruzeiro do Sul, que inclusive tinha ações em bolsa, após a constatação de fraudes fiscais.

Devemos destacar que há mecanismos de proteção para investidores. Se para os bancos existe o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), para as corretoras existe o Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (MRP), que assegura aos investidores o ressarcimento de até R$ 120 mil por prejuízos causados pela ação ou omissão de participantes de mercado. Mas atenção para o fato de que estão garantidos somente os negócios realizados em mercados de bolsa e serviços de custódia, havendo cobertura de prejuízos decorrentes de intervenção ou liquidação extrajudicial da instituição, além de:

I – inexecução ou infiel execução de ordens;

II – uso inadequado de numerário e de valores mobiliários ou outros ativos, inclusive em relação a operações de financiamento ou de empréstimo de valores mobiliários;

III – entrega ao investidor de valores mobiliários ou outros ativos ilegítimos ou de circulação restrita;

IV – inautenticidade de endosso em valores mobiliários ou outros ativos, ou ilegitimidade de procuração ou documento necessário à sua transferência; e

V – encerramento das atividades.

Pronto para “desbancarizar”? O próximo passo é escolher a corretora mais adequada para suas necessidades. A MyCAP Investimentos pode atender aos vários perfis. Vamos falar sobre isso no próximo post…

Compartilhar:FacebookTwitter

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: